No cravo e na ferradura, de Marco Catalão

R$60

Marco Catalão é um escritor, poeta, reconhecido por experimentar com maestria muitos gêneros, por nos emocionar enquanto engenha a palavra e suas formas. Neste livro, ele faz das adivinhas, dos ditados populares, das rimas, da nossa rica tradição oral, uma delicada e intrigante poesia, que é interpretada em xilogravuras pelo patrimônio nacional J. Borges. 

poesia: Marco Catalão

xilogravuras: J. Borges

projeto gráfico: Tatiana Podlubny

ISBN: 978-65-89407-05-8

56 páginas. Sobrecapa ilustrada. Coleção Caravelas. Poesia. Editacuja, 2021.

* Nossos envios são realizados a cada 5 dias úteis.

Comprando 2 ou mais livros da coleção, cada volume sai por R$ 50.

Descrição

As tradicionais adivinhas e os ditados populares ganham ares contemporâneos no livro inédito de Marco Catalão. A poesia de No cravo e na ferradura foi reconhecida pelo III Concurso Internacional Literatura para Todos, categoria tradição oral, MEC 2009. Vem agora a público, ilustrado com xilogravuras de J. Borges. Uma edição para adultos e crianças.  

Habent sua fata libelli. Os provérbios e as adivinhas sempre me fascinaram — pela riqueza inventiva de suas imagens, pelo ritmo encantatório de seus arranjos verbais, por sua estrutura simultaneamente rígida e aberta, mas, sobretudo, pelo fato de serem condensações coletivas de criações anônimas muito antigas. Os rios são rios por seus desvios.

No cravo e na ferradura faz parte da coleção Caravelas. Para ver todos os livros da coleção, clique aqui.

Marco Catalão é poeta, dramaturgo e ficcionista. Escreveu, entre outros livros, O Cânone Acidental (Bolsa da Biblioteca Nacional), AgroNegócio  (Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia), Sob a face neutra  (Bolsa Funarte de Criação Literária, Prêmio Ideal Clube de Literatura) e Catálogo Poético da Semana de 22 (Prêmio de Incentivo à Publicação Literária do Ministério da Cultura). Em 2020, seu livro As asas do albatroz foi vencedor do Prêmio Rio de Literatura na categoria poesia.

 J. Borges é artista popular, xilogravador e poeta cordelista. Seu primeiro folheto de Cordel, escrito em 1964, O Encontro de Dois Vaqueiros no Sertão de Petrolina, vendeu mais de 5 mil exemplares em 2 meses. É reconhecido mundialmente, com prêmios como o Manoel Mendive, na 5ª Bienal Internacional Salvador Valero Trujillo, Venezuela (1995) e o Prêmio Unesco (2000). J. Borges é considerado Patrimônio Vivo brasileiro e, desde 2006, recebe uma bolsa que o ajuda a manter, na cidade onde nasceu, o Memorial J. Borges, que funciona como galeria, ateliê e “escola”, onde ele multiplica o seu conhecimento da arte da literatura de cordel e a xilogravura para os moradores da região e outros estudantes e visitantes.

Sarau Assíncrono

Adivinhanças

No livro, Marco Catalão nos presenteia com adivinhanças. Você pode responder três delas aqui, aqui e aqui. As respostas serão compartilhadas nessas três nuvens de palavras:

Informação adicional

Peso 200 g
Dimensões 13.5 × 19 × 2 cm